Dízimos e Ofertas

CADASTRE SEU E-MAIL

Dízimos

O Ministério Ceia desde o início da sua fundação tem sido transparente na sua admiração financeira com presidente vice presidente, tesoureiro secretario, presbitério governo e um conselho fiscal. Entendemos que o dízimos é a décima parte dos lucros e entradas que o crente destina para uma finalidade sagrada. Essa décima parte é devolvida a Deus como um sinal da aliança e da sociedade com Ele, reconhecendo-o como o criador e proprietário de todas as coisas. Gn 14:18; Lv 27:30 e 32; Ml 3:7-10

Está relacionado com um mandamento de Deus, pois como Soberano do Universo, reservou para Si o dízimo, e logo o estabeleceu como um concerto: “Trazei todos os dízimos à casa do tesouro” Malaquias 3:10. Dever é dever, deve ser realizado por amor a Ele. A negligência ou adiamento desse dever provocará o desagrado Divino. Sendo que o governo de Deus respeita o livre arbítrio, dizemos que Ele não obriga ninguém a segui-Lo. Este acordo poderá não ser executado nem aceito, mas quem procede assim terá que enfrentar as consequências. O princípio do dízimo se baseia em princípios tão duradouros como a lei de Deus. Devolver o dízimo é um ato de adoração. Jacó ao devolver ao Senhor seus dízimos, ele estava adorando-o (Gênesis 28:22). O povo de Israel levava a Deus parte de seus bens, como um ato de adoração (Êxodo 23:15; Deuteronômio 16:16).

Quanto ao dízimo, o profeta Malaquias escreveu:

Eu pergunto: “Será que alguém pode roubar a Deus?” Mas vocês têm roubado e ainda me perguntam: “Como é que estamos te roubando?” Vocês me roubam nos dízimos e nas ofertas. Todos vocês estão me roubando, e por isso eu amaldiçôo a nação toda. Eu, o Senhor Todo-Poderoso, ordeno que tragam todos os seus dízimos aos depósitos do Templo, para que haja bastante comida na minha casa. Ponham-me à prova e verão que eu abrirei as janelas do céu e farei cair sobre vocês as mais ricas bênçãos. Não deixarei que os gafanhotos destruam as suas plantações, e as suas parreiras darão muitas uvas. Todos os povos dirão que vocês são felizes, pois vocês vivem numa terra boa e rica. Eu, o Senhor Todo-Poderoso, estou falando. Malaquias 3.8-12

A finalidade que Deus estabeleceu o dízimo:

1º Para expressar a Deus a nossa lealdade e obediência à soberania divina.
2º Para reconhecer a Deus como dono e doador de tudo. I Crôncias 29:11-14
3º Para habilitar-nos a receber bênçãos de Deus. Malaquias 3:10 – 12
4º Para avanço da obra de Deus na Terra.

Lembrem disto: quem planta pouco colhe pouco; quem planta muito colhe muito. Que cada um dê a sua oferta conforme resolveu no seu coração, não com tristeza nem por obrigação, pois Deus ama quem dá com alegria. E Deus pode dar muito mais do que vocês precisam para que vocês tenham sempre tudo o que necessitam e ainda mais do que o necessário para fazerem todo tipo de boas obras. 2Coríntios 9.6-8

O destino que Deus dá ao dízimo.

A diferença entre dízimo e oferta?

Dizimo:

Deus declara que é propriedade exclusiva Dele. Levítico 27:30: “Também todas as dízimas da terra, tanto do grão do campo, como do fruto das árvores, são do Senhor, santas são ao Senhor”.

Nisto não temos o direito de escolher. Deus exige obediência total. As ordens têm de ser cumpridas. (Malaquias 3:10, Deuteronômio 14:22) fazendo-se uso do livre arbítrio.

Deus aceita tanto o bom como o mau. Levítico 27:32 e 33. Aqui Deus se preocupa não tanto pela qualidade, mas pela quantidade, pela parte que Ele reclama como Sua.

Embora o dízimo seja um dever, Deus espera que esta obrigação tenha a motivação do amor, um amor responsável, um amor que leva a obediência. S. João 14:15 e 15:10

Oferta:

É “propriedade” do homem. Nós sabemos que o ser humano não é proprietário de nada. Sem dúvida, Deus nos permite considerar os nove décimos (depois do dízimo) como nossos, pois podemos usá-los conforme a nossa vontade. É por esta razão que podemos ofertar voluntariamente. Deuteronômios 16:10

A quantia que damos está determinada pelo critério espiritual de avaliação e proporção das bênçãos recebidas, I Corintios 16:2; Deuteronômios 16:17; S. Lucas 12:48. Aqui também usamos a faculdade de escolha.

Deus somente aceita a oferta que é perfeita, porque está representa a Cristo. Aquilo que mais preocupa a Deus é a qualidade. Malaquias 1:8; Levítico 22:21 e 22.

A motivação do amor é a única que Deus aceita, ainda que a oferta seja da melhor qualidade. A motivação está no doador. Deus olha o doador e sua oferta. Gênesis 4:4, I João 3:16 e João 15:13.

Nossa conta para depósito:

MINISTÉRIO COMUNIDADE EVANGÉLICA INTERNACIONAL APOSTÓLICO

CNPJ: 07566335/0001-10
Banco Bradesco
Agência: 1647
Conta Corrente: 20657-1

Start typing and press Enter to search